Quais são as implicações culturais da cibersegurança?

Atualizado: Jan 29




As implicações culturais da segurança cibernética incluem história, religião, estrutura econômica, estrutura governamental e valores e normas da sociedade. Juntos, eles formam a base para entender a resposta de uma cultura à segurança cibernética (incluindo atores, incidentes, políticas e leis) e determinar a melhor forma de se envolver com uma determinada cultura em questões de importância na segurança cibernética.


"As diferenças nas abordagens à segurança cibernética não se limitam à privacidade, mas também se estendem aos padrões de governança histórica nacional ... e à cooperação regional" (Palmer et al., 2016).


A história, particularmente em questões de privacidade e inteligência, tem influência significativa nas abordagens de segurança cibernética. Por exemplo, desde a década de 1970, a Doutrina de Segurança Nacional do Brasil enfatiza a independência e autonomia do Brasil de uma perspectiva de tecnologia e segurança, respectivamente. Essa perspectiva histórica influenciou as decisões subsequentes em uma infraestrutura de e-mail separada e independente para comunicações do governo.


Em toda a Europa, a visão predominante é que a proteção da privacidade é um direito humano. Esta perspectiva está agora refletida na Diretiva NIS da UE. Esta diretiva sobre a segurança de redes e sistemas de informação enfatiza fortemente a proteção da privacidade


As estruturas governamentais também afetam as abordagens à segurança cibernética, particularmente se e como as nações legislam, emitem políticas e consideram responsabilidades e penalidades.


É mais provável que os países democráticos abordem a segurança cibernética a partir de uma perspectiva de determinar como as leis existentes podem ser aplicadas ou modificadas para acomodar mudanças e alavancar os processos legislativos e executivos existentes. É mais provável que essas nações tenham maior consideração pela privacidade pessoal, como refletido em suas normas e comportamentos sociais.


Os países administrados por um único partido ou entidade (por exemplo, países comunistas) têm maior probabilidade de ter abordagens mais restritivas, punitivas e menos transparentes à segurança cibernética. De acordo com suas práticas de governo, é provável que as punições sejam rápidas e severas, mas esses países também são mais propensos a alavancar ciberatores maliciosos desonestos para trabalhar em nome de seus interesses nacionais. De uma perspectiva de valores sociais, esses países também geralmente têm menos consideração pela privacidade pessoal.


Referências:


Palmer, A., Martins de Almeida, G., Breteau, L., Hoare, O., Liew, S., Le Toquin, J., & Rickert, T. (2016, maio / junho). Uma perspectiva global sobre segurança cibernética: visões culturais e regionais que influenciam a Política de cibersegurança.Minority Corporate Counsel Association. Recuperado em http://www.diversityandthebardigital.com/datb/may_june_2016?pg=26#pg26


Comissão Europeia. (28 de julho de 2016). A diretiva relativa à segurança de redes e sistemas de informação (diretiva NIS). Recuperado em https://ec.europa.eu/digital-single-market/en/network-and-information-security-nis-directive

14 visualizações
Contato

Edifício Icon - Alameda Mamoré, 503 Conj.33

Alphaville - São Paulo

CEP 06454-040

Edifício Bolsa de ImóveisAv. das Nações Unidas, 11.541 - Brooklin, São Paulo - SP, 04578-000

 

 

 

 

Tel: +55 11 3181-8444

contato@baymetrics.com.br